quinta-feira, setembro 28, 2006

Arreganha a Taxa, Paga o Imposto!

A idade já não perdoa e apesar de ser ainda um jovem quarentão, ás vezes dói-me todo o corpo e as pernas também. De algum tempo para cá, o meu sistema hepático tem dado sinais de fraqueza – eu que só bebo tinto de uvas; cerveja de cevada e malte; champanhe francês; carne de porco com gordura natural; torresmos bem temperados; - será uma questão genética com certeza (agora me lembro ter comigo uma barriga de freira já meio marada – poderá ser isso).

Um dia da passada semana, lá fui a mais uma consulta de Hepatologia, ali no Hospital dos Covões. Ás 09 horas lá estava na fila das “marcações do dia”, caderneta de doente na mão, o cartão de saúde na outra mão, a carteira no bolso do blusão e uma pequena ansiedade ali algures para os lados do coração. Depois de 09 minutos e 23 segundos, mais alguns encontrões lá cheguei ao guichet, uma funcionária de olhos brilhantes, sorriso largo e voz dócil, pediu-me o cartão de doente, depois o cartão de saúde, confirmou-me a consulta para aquele dia e após esse procedimento “pediu-me” a carteira, quero dizer: o dinheiro da taxa moderadora – até aqui tudo normal!

Sentei-me na sala de espera eram 09, 15 horas, esperei, esperei, esperei, eu e o Pedro Barroso que me fez companhia e falou-me d’ “A história maravilhosa de um País bimbo”; pus-me a meditar (gosto de meditar nas salas de espera dos hospitais, também o faço na casa de banho durante o duche, sempre me ocorrem ideias frescas) e concluí que esperava e esperava, porque estava numa sala de espera. Pois claro! Sala de espera: espera! Está certo!...
Por volta das 11:15 horas, lá me chamaram (de novo a voz dócil) para outra sala, aliás corredor. O corredor de acesso aos consultórios. Exactamente ás 11:50 horas, sai um doente de um gabinete deixando a porta aberta e ouço uma voz rouca (já não dócil), chamando: MANUEL NEVES!!! Ufa!... Chegou minha vez de ser consultado, não era o meu médico habitual, mas tal como o meu médico habitual este também era limpinho, usava bata branca e tudo, estetoscópio ao pescoço, assim como que um ar a importância, gravata azul-bebé com elefantes cor-de-rosa, mas também descobri que o sapato do pé esquerdo estava ligeiramente sujo, contrastando com o do pé direito que brilhava como um espelho reflectindo o sol. A minha timidez tomou uma pequena dose de coragem e perguntei: - O Dr. Aristides hoje não está? Ao que respondeu: - Não se preocupe. Reparei como me olhou e só posso concluir que está ansioso. Não será caso para tanto, deve ter percebido que também sou médico e toda a sua história clínica está no sistema.
Quando falou em sistema, reparei que sobre a secretária estava uma caixa preta com um monitor em cima, daqueles fininhos, que pensava que só servia para ver os jogos de futebol, pelos menos lá na minha aldeia o Xico Zé da taberna, o filho do ti Malaquias, aquando do campeonato do Mundo comprou um. Mas é maior. O vinho deve dar dinheiro, pois o Xico Zé tem um televisor ou lá o que é, maior que o do médico. E o médico andou a estudar medicina na Universidade durante muitos anos, olha… valia mais ter ficado a aviar copos, pelos menos agora tinha um aparelho de ver a bola e a história clínica (programa do Dr. José Hermano Saraiva) maior.
Muito bem, o Sr. Dr. olhou, olhou para o sistema, levou o dedo ao ecran e repentinamente o retirou dizendo: - bolas! Apanhei um choque. Pensei de imediato que deve ter sido um choque tecnológico, pois um dia ouvi o Sr. Primeiro-ministro referir que estes choques também se apanham em monitores sobre estas caixas pretas, as caixas do sistema, portanto! Depois de pesquisar na tal história clínica, escreveu em dois papelinhos e disse: - faz estes exames e volta daqui a dois meses.
Saí muito mais tranquilo. Primeiro, fiquei sem saber se estava melhor ou pior. O que é bom, porque quererá dizer que estarei na mesma – ou seja: vivo! Segundo, o que aconteceria se me dissesse: - lá para o início do ano tem que ser internado para fazermos uma pequena intervenção cirúrgica. Bom, seria terrível. Não pela intervenção, pois quem me conhece sabe que não desmaio assim tão facilmente, mas, e as novas TAXAS de internamento e cirurgia. Sim, eu sei que são simbólicas; mas simbólicas é quanto?! Lá teria que propor ao Sr. Dr. para me internar de manhã, operar de manhã e mandar-me para casa depois de almoço. Já que teria de pagar a taxa daquele dia, pelo menos ia almoçado. Mas o doutor podia retrucar dizendo que corria risco de vida, que teria de ficar internado alguns dias até estabilizar. Perante este cenário teria eu que fazer algumas contas simples, a ver: número de dias internado x taxa de internamento + taxa de intervenção cirúrgica, por um lado; pelo outro, calcular o preço do meu funeral – subsidio de funeral - indemnização do seguro de vida que em tempos celebrei. Depois é simples, comparar um custo e outro e decidir: as TAXAS ou …

Fiquem bem.


PostScriptum: Não pensem muito. Viver é mesmo bom. Vão-se os anéis, ficam os dedos (provérbio popular), mas é pena.

21 comentários:

Anónimo disse...

:)...é quase sempre assim...preferível viver e saber que podemos perder os anéis. (Aprendemos a dar mais valor aos dedos...) ;)

Tozé Franco disse...

Afinal sempre existe o sistema e, pelos vistos, o que está por cima dá futebol....ou pelo menos na aldeia dá.
Comtanto tempo de espera para uma consulta e depois queixam-se que a produtividade anda pelas rua da amargura.
É o sistema, mas apesar de não conseguir vencê-lo não me consigo juntar a ele.
Mais um grande texto.
Um abraço e bom fim-de-semana.

Moura disse...

Quem espera sempre espera! Por vezes vale a pena! Temos um exemplo que ilustra bem como é bom esperar:
- os maravilhosos textos que o Manuel Neves escreve para o Populos Romanos!

Um abraço

Paulo Sempre disse...

O Senhor dos dedos sem aneis...e, por este andar, até os cabelos, se ainda ou houver, lá vão ficar, à porta do hospital, como garantia de pagamento.
.Abraço
Paulo

Chanesco disse...

Bem podem por livros de relamações.
"O pagas e não bufas e se queres reclamar pagas primeiro e reclamas depois" continua em vigor apesar de tudo.
Com a subtileza da ironia a mensagem passa quase sem se dar por ela. Belo texto.

Cumprimentos aqui da Raia.

Anónimo disse...

Grande relato! Adorei o estilo de escrita! Incrivelmente simples, bem ilustrado, capaz de prender e muito rico em pequenas ironias com grande nível!

Luisa disse...

Como foste parar ao meu blog? Claro que não podia deixar de vir espreitar este desconhecido que pela primeira vez nos visitava (o blog é meu-Luisa- e da Maria João). Vim e diverti-me muito com o teu texto tão actual. Que mais nos esperará?

al cardoso disse...

Muito bem descrito sim senhor.
Faco votos que se encontre melhor.

Nao ha como estar incluido no sistema, e com os tais choques tecnologicos.

Haja saude e vida em abundancia.

um abraco de solidariedade, serrano.

Ignotu disse...

Visto bem as coisas, que adoeçam os ricos.

Jofre Alves disse...

Passei para ver esta agradável e sempre interessante página, onde me delicio nesta madrugada, e também para desejar bom fim-de-semana. Para além do sistema, existe o Dr. Morte, na pele de ministro da saúde.

Anónimo disse...

Bela leitura esta , bem melhor que o jornal da manhã. Fica-se mais bem disposto, que rir faz bem à saúde! Meio a bricar diz coisas muito sérias e a crítica ao nosso desenrolar dos dias é uma constante subtil neste texto. Já agora vá acompanhando o sumo de uva tinto e a carne de porco com uma bela salada, para termos muiiiiiiiito tempo o prazer da sua companhia!

Badala disse...

Tudo o que tu falas também me passa pela cabeça quando vou ao médico. É incrível como eles não nos explicam quase nada.
E agora com este novo ministro não podemos cair na tentação de ficar internados. Estive internada este ano, graças a Deus que este ministro ainda não tinha inventado estas novas taxas.

Marco disse...

Excelente texto, parabéns!

jo disse...

Simplesmente imperdível este teu texto, pois a graça misturada á triste realidade está numa simbiose perfeita. Tens razão, viva
cada dia que por cá andamos, pois anéis há muitos!!!!!! Sou a outra do ecosdotempo. Mas também me podes visitar no htt://tempodoeco.blogs.sapo.pt ou ainda noutro que dá pelo nome de http://oluguardatareca.blogspot.comAbraço

cuco disse...

Onde é que já vi este filme?...
Abraço .'.

João Moutinho disse...

Já trabalhei no Hospital dos Covões. Foi uma experiência francamente positiva.
Percebi que a grande maioria dos profissionais dedicava-se de "alma e coração"à sua profissão, o que se pode traduyir pelo utente.
Agora não devemos pintar a cor-de-rosa o que é cinzento.

João Moutinho disse...

Está linkado! (o blog, não o SNS)

caminante disse...

Ánimo, joven. Los cuarenta son, sencillamente, veinte más veinte. Uno ve la vida con otros ojos.Comienza el remanso de las ideas, la serenidad... ¡Vive en plenitud! (que no es lo mismo que: VIVE LA VIDA).
Carpe diem, amigo latinista.
Um fortísimo abrazo.

asn disse...

Um belo espelho do actual estado da Nação!
A Constituição diz que o Estado tem a obrigação de prestar serviços de interesse público aos cidadãos. Para esse efeito cobra impostos e taxas.
...
Teremos que nos conformar com a ideia de que cuidados de saúde, a tempo e horas e de qualidade, é só para os ricos? E para os que fazem parte do sistema, para os que conseguem mexer os cordelinhos e entrar pela porta do cavalo?
Que raio de país este! Nunca mais nos conseguimos organizar?
Espero bem que não tenha andado este tempo todo, desde a data deste post até agora, de papéis numa mão e chapéu na outra a bater de porta em porta a ver se é atendido pelo SNS condignamente!...
Também é certo que talvez ainda não tenham passado os tais 2 meses!

Tozé Franco disse...

Caro Manuel Neves:
Passe pelo blogue pois tenho lá um convite para si.
Um abraço.

Menina_marota disse...

è para o que estamos fadados!
Excelente texto. Parabéns!
;)