terça-feira, fevereiro 01, 2011

Espelho Meu

Hoje, olhei-me de novo ao espelho.
De quem seria aquela imagem reflectida?!
Não reconheço em mim aquelas rugas
O cabelo branco de meus avós
O olhar baço de um marinheiro com saudade
Peles flácidas, lembrando fraquezas
Narinas e orelhas pubescentes
Semblante triste, marcado pela dor
Deste tempo que passa, depressa
E eu… sem norte ou esperança
Ziguezagueando como um bêbado
De saudade da pele luzidia
Do cabelo florescente em mim
Olhar vivaço de criança curiosa
Alegre, dando saltos para a vida
As paixões! Tantas vezes caladas no silêncio do luar
O Amor… Sim Amor! Como te amo tanto!
Quero-te, como naquele tempo
Mais, talvez. Agora que te conheço como as marés
No mais profundo do teu olhar
Revejo a minha alma, o passado em película
O calor das tuas mãos, os teus lábios quentes
Agitam o sangue que ferve em mim
O coração não balança, bate por ti
Bate forte, em cada batida recorda-te
Cada recordação, torna-me eternamente jovem

Neves Braga

3 comentários:

Anónimo disse...

:)

Anónimo disse...

A vida é uma eterna estrada
com sinais que nos fazem tomar
várias direcções, com encruzilhadas
que nos trazem surpresas
Algumas muito agradáveis,
que são memória para todo o sempre
Mas enquanto recordarmos, é sinal de
que ainda não chegámos ao fim
dessa estrada difícil e sinuosa
que é a vida.

Que ganhes muitas mais rugas...meu amigo....
AF

Anónimo disse...

Cada recordação, torna-me sempre jovem!... Recordar é viver!... :):)