domingo, janeiro 20, 2008

Os meus Chinelos Transexuais!...


O que agora são uns chinelos (foto) já foram umas fofinhas pantufas de pele e pêlo, tradicionais da Serra da Estrela. A minha comadre Dulce, ofereceu-mas para aí a uns 8 ou 9 anos. Suportar o meu peso de 100 kg, com a pena de ter que caminhar comigo enquanto circulava por casa, as pobres pantufas foram precocemente envelhecendo. Mas na verdade, o meu apego às coitadas já era tamanho, como cuidavam dos meus sensíveis pés no fim de mais uma jornada de calcorreada dentro de uns sapatos lindos, às vezes até engraxados, brilhantes, mas maçadores e nada flexíveis; quando ao fim do dia a minha intimidade com as pantufas era maior sentia-me como leve pássaro voando pelos cantos do universo, com lindas melodias de Diana Krall no bico (um pássaro culto, portanto...). Mas, como ia escrevendo, as pobres coitadas de tanto convívio com um gordo de 100 Kg, depressa se romperam, descoseram e já se arrastavam com alguma dificuldade entre a cozinha e o quarto, ou o quarto e o sótão, ou qualquer outra divisão da casa. Comecei a sentir que sofriam, a solução foi levá-la a uma clínica privada - dessas todas modernaças que agora abriram em tudo quanto é Centro Comercial – o Dr. Sapatilha (técnico especializado de calçado – antes: sapateiro), fez-lhe uma inspecção completa da ponta da sola ao salto e com voz de quem está muito seguro de si, disse-me: - Caro senhor, as suas pantufas estão com a saúde muito debilitada.

- Que podemos fazer por elas, Sr. Dr.?

- Cirurgia! A única hipótese é cirurgia!

- Cirurgia?! Mas Sr. Dr., que vai operar?

- Pois! É delicado, mas para as pantufas sobreviverem temos que lhe trocar o sexo.

- Trocar o Sexo?! Umas pantufas transexuais?!

- Calma. Calma. A única possibilidade de perdurarem é transformá-las nuns chinelos e isso só se consegue com a mudança de sexo das pantufas.

Pensei e repensei, não sabia muito bem se os meus pés quereriam conviver com umas pantufas transexuais. Mas, seria uma desfeita à minha comadre Dulce, que com tanto carinho me ofereceu as ditas infelizes, sentenciar-lhe a morte tão precocemente. Vai daí resolvi avançar para a cirurgia. Nesta sociedade de consumo imediato (como já diziam os “Táxi”) poderia ter optado por comprar umas novas, colocando estas no caixote de lixo, no entanto, o meu lado ecológico apelou-me para a política dos três R:
Reduzir, Reutilizar e Reciclar, assim decidi pela reutilização e com a mudança de sexo, operado pelo Dr. Sapatilha as minhas velhas pantufas estão uns maravilhosos Chinelos.

Cada vez que chego a casa e os calço, confesso que fico assim como que com um andar
diferente! Um andar novo, digamos.

Mas damos-nos muito bem, quer dizer os chinelos e os meus pés. Com esta intervenção cirúrgica evitou-se um resíduo e transformaram-se umas lindas pantufas num bonito par de chinelos, talvez os primeiros chinelos transexuais do Mundo!!!

14 comentários:

M.Joao disse...

Olá!
Reconheci de imediato as tuas pantufinhas na foto ( ficaram bem na fotografia!).
Acabei de ler o novo texto com o qual decidiste alimentar o teu blog. Gostei de o ler. Fez-me rir! É também com carinho que consegues falar dos teus chinelos, antigas pantufinhas e da amiga que tas ofereceu. Continua a deleitar-nos com a tua escrita. Continuo a achar que escreves muito bem. Quem conseguiria lembrar-se de eternizar umas velhas pantufas homenageando-as com um texto tão bonito? Só mesmo tu!
Fiquem bem, tenham bons sonhos e uma boa semana.
Beijos nossos.
M.João

joao salgueiro disse...

Boa Noite
Em primeiro lugar queria dizer que sou um leitor assíduo deste blog e um fã dos textos aqui publicados!
Comento este post porque acho que foi escrito com um sentido de humor excepcional... é um texto caricato, nunca me tinha ocorrido o processo de reciclagem de calçado! É uma excelente crítica à sociedade consumista... e gosto tambem muito da abordagem sobre esse tema tabu (tantas vezes abordado em programas da manhã, mas raramente abordado com sucesso) que é a mudança de sexo... a mudança no geral assusta a sociedade! Acho a mudança moderada nao só saudável como necessária!
Fazer um breve comentario a um outro post [Eles andam aí] que li ha algum tempo sobre um suposto regresso da opressao e da censura... concordo plenamente tambem! Acho que a democracia e a liberdade estao tão doentes como as ditas "pantufas", a precisar de mudança...

Respeitosamente
Joao Salgueiro

André Carecho disse...

Perdoem-me, caso considerem a minha abordagem a este texto como sendo algo simplista e sem coerência, mas seria uma extrema incorrecçao da minha parte se nao exteriorizasse
de forma fidedigna aquilo que me assolou a mente, depois da leitura atenta do texto, que foi nada mais, nada menos, que um valente, mas sentido, AHAHAHAHA!!

Muito bom!
Continuação do excelente trabalho!
Os meus pais nao estao ao pé de mim, mas muito provavelmente mandam comprimentos!

Anónimo disse...

Fabuloso!
:)
A.

Luís Antero disse...

ahahahaha. definitivamente, um dos melhores textos que já por aqui li. é uma espécie de ironia/simpatia/nostalgia pedagógica, caro irmão (sim, hoje não me apetece chamar-te manuel neves). parabéns meu caro e abraços fraternos, agora de + pessoas, claro está. eu, a bé, o isaac e o samuel. bjinhos de todos para todos.

Luís Antero disse...

o andré é o amigo do diogo? sim senhor, bela escrita a desse sr.

Chanesco disse...

Caro Manuel

Eu talvez dissesse que os chinelos do meu amigo não mudaram de sexo: mudaram de género.
São mais do género: escolhe outro que que eu já estou velho.

Abraço

Tozé Franco disse...

Caro Manuel:
Não pude deixar de me rir ao ler este texto brilhante.
Só alguém com um dom notável para a escrita é capaz de produzir um texto destes.
Quanto aos três R, acho que é assim que se começa, pelas pequenas coisas.
Desconfio sempre de quem tem grandes projectos, pois, quase sempre é sinal que não quer fazer nada. Há quem queira mudar o mundo, mas seja incapaz de arrumar o quarto.
Muito bem. Já espeor pelo próximo texto.
Já sabe, se não encontrar o cão por ele estar escondido, é sinal que viu os chinelos (ex-pantufas) e tem medo que lhe aconteça o mesmo.
Um abraço.

ManuelNeves disse...

Vivam!

A todos quero agradecer as simpáticas palavras que me foram dirigidas, embora ciente que não sou merecedor de tamanhos elogios.

Contudo, quero saudar com especial carinho e admiração, o "sangue novo" que teve a pachorra de ler os meus textos, refiro-me aos jovens João e André, amigos quase de berço do meu filho e que desde sempre aprendi a respeitar, a admirar a inteligência de ambos, a educação primorosa, a simpatia no trato e o modo afável como sempre me trataram. Os pequenos comentários deixados por ambos, revelam cada um à sua maneira, a inteligência já referida, a atitude critica patenteada e o modo fino da escrita. Muito obrigado a ambos, e voltem mais vezes.

À minha amiga Maria João, mulher coragem, como lhe costumo chamar, um também muito obrigado.

Ao meu irmão Luís Antero, não agradeço mas endereço os parabéns, pelos gémeos Samuel e Isac. Agora pai a dobrar, não sobrará muito tempo para visitar e comentar o PopulusRomanus.

Ao Chanesco, obrigado pelas visitas
nem sempre retribuídas.

Ao amigo Tozé, um leitor e comentador desde a primeira hora, agradeço-lhe a insistência de visitar este pobre espaço, mesmo quando durante muito tempo não há novidades, por falta de tempo ou preguiça.

A todos os que por aqui passam e deixam a sua marca, o meu muito obrigado e um grande bem-hajam!

ManuelNeves

Oris disse...

Passei para agradecer a visita ao meu canto.

Gostei do texto cheio de humor e de imaginação. Já vi que, por aqui, se passam uns momentos agradáveis...

Beijitos

Ana Ramon disse...

Olá amigo! Aqui está mais um blog que desconhecia. A minha lista aumenta quase de dia para dia e julgo que há-de chegar o momento em que me tenho que fechar em casa por vários dias para poder ler todos os interessantes textos que os meus amigos publicam. O problema maior é que quando termino as leituras, dou comigo a pensar que a qualidade daquilo que leio é tanta que nem sei o que é que ando a fazer na blogosfera.
Mas depois passa-me e lá continuo a escrevinhar mais alguma coisa :))
Um beijinho

Ana disse...

Pois eu nem patufas nem chinelos, quem me quer ver eh descalca, pois entao!
Tambem ja morei em Mississauga, mesmo em frente ao Square One, so ha uns 5 anos mudamos para Brampton uma cidade a 20 minutos de Mississauga.
Obrigado por passares pelo meu blog. Um abraco.

rato do campo disse...

Hehehehe! O que é preciso é que os recém-chinelos continuem felizes ( e tu também) nesse aconchegado ménage à trois! Abraço! :)

Lu disse...

Adorei, Manuel. Podia servir numa aula de Ciências a tua história.