domingo, junho 10, 2007

Entre Amigos - Era uma Vez um 10 de Junho


Como tem acontecido nos últimos anos, ontem dia 09 de Junho desloquei-me a Constância - Vila Poema, para visitar as XII Pomonas Camonianas. Como já referi num post publicado em 09Jun06, nas Pomonas Camonianas recria-se um mercado quinhentista, onde se integra uma exposição-venda dos frutos e flores referidos por Camões na sua obra. Como se pode ler no sítio da Câmara Municipal de Constância: "Homenagear Camões, o maior poeta português de todos os tempos, a sua ligação à vila de Constância, bem como assinalar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, são os principais objectivos das Pomonas Camonianas, um evento que nos transporta numa longa viagem até aos tempos do épico."
As Pomonas vem da simbologia greco-romana, em que Pomona era a Deusa dos Frutos e do Pomares, frequentemente evocada por Camões na sua obra.
Mas o programa não fica só pelo mercado Quinhentista, pois outras iniciativas como teatro, música clássica, festival hípico, prova de orientação nocturna, feira de velharias, música e poesia no jardim, exposições várias e os Encontros de Cantar Diferente. Uma ideia original de Pedro Barroso, onde ali no Anfiteatro dos Rios, é montada uma sala de estar,
em que ele próprio, Pedro Barroso, músico, cantor, poeta, escritor, pintor, professor e essencialmente um Homem Bom, faz de anfitrião e convida dois amigos, que pelo meio de músicas e conversas, transformam aquela noite, numa noite mágica, de emoções, de comoções, mas também de espírito critico. Por aquela Sala de Estar, majestosamente instalada no local onde o Tejo e o Zêzere se casam, já passaram: Manuel Freire, José Mário Branco, José Fanha, João Afonso, Vitor Silva, Carlos Mendes, Francisco Fanhais, Fernando Tordo, Samuel, o Maestro Vitorino d’ Almeida, Janita Salomé, Carlos Alberto Moniz, Zeca Medeiros, José Cid e Afonso Dias e na noite de ontem (dia 9) para hoje (dia10): Francisco Naia, Paulo de Carvalho e, claro, o anfitrião de sempre - Pedro Barroso.
Entre amigos, conversa-se coisas sérias, contam-se histórias divertidas, canta-se, canta-se muito, os protagonistas e nós no lado de lá da verdade.
O Tejo e o Zêzere, silenciam as suas águas. Ouvi o Tejo sussurrar ao Zêzere: - Silencia as tuas águas. Vai-se cantar em Português, os poetas portugueses, música portuguesa...
Timidamente disse-lhe o Zêzere: - Nem ao menos assobiar de baixinho?!
O Tejo sorriu como que concordando e com ternura deu um abraço ao Zêzere.
E no meio da conversa, perguntou-se e eu também pergunto: a música Portuguesa não tem qualidade quanto baste para passar na Rádio e na Televisão Portuguesa?! Portuguesa! Não falo na Rádio Espanhola, porque esses os espanhóis, sabem preservar o que lhes pertence. Não, não estou para aqui a dizer mal, só por dizer, são factos! E neste campo temos muito a aprender com "nuestros hermanos".
Francisco Naia, alentejano de Aljustrel, professor de Alemão/Inglês, cantou e encantou com a sua voz cristalina e sotaque alentejano, com canções de outros tempos e do último álbum agora editado.
Paulo de Carvalho, "the voice" portuguesa, continua igual si próprio. Um Senhor!
Pedro Barroso, bom! Sou suspeito! Não tenho capacidade de imparcialidade ao falar em Pedro Barroso. Tivemos direito a uma estreia Mundial, uma cantiga lavrada dois dias antes, ainda alinhavada portanto, que Pedro Barroso ali quis partilhar entre amigos. Depois, depois uma comovida e singela homenagem aos Homens e Mulheres, que com a sua voz, a sua música e as palavras dos poetas ajudaram a derrubar alguns dos tijolos do muro opressivo que atravessava o País em Abril de 1974. Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira (a escola de Coimbra), António Macedo, Samuel, Xico Fanhais, Carlos Paredes, Natália Correia, Manuel Alegre, Manuel Freire, António Gedeão e tantos outros que a minha memória já não reproduz.
Os "
Encontros de Cantar Diferente" deste ano, acabaram já o dia 10 de Junho tinha acordado. Pensei: não houve medalhas nem medalhados, nem carros do exército, nem aviões de combate, apenas música, conversa e poesia. Quando regressei ao meu cantinho de Alcabideque, trespassou-me uma grande leveza na alma, como que embandeirado por uma bebedeira de Portugalidade. Num espectáculo tão singelo, numa bonita e pequena Vila - a Vila de Constância - senti que o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades se tinha cumprido na sua plenitude e importância.



10 comentários:

Tozé Franco disse...

Deve ter valido a pena.
Quanto à música portuguesa pouco há a acrescentar. A rádio não a passa, os mais novos embora tirem negativas a Inglês só ouvem músicas cantadas nessa língua. Quando cá vÊm alunos espanhóis, na camioneta só se ouve música espanhola. Quão diferentes eles são!
Quanto a Constância a última vez que lá estive chovia torrencialmente de maneira que só saí do carro para comer. Que ricos filetes de fataça.
Um abraço.

luis antero disse...

pois, constância não conheço, mas fiquei com água na boca. realmente é de noites assim, simples como referes, em q a tal portugalidade vem ao de cima na sua plenitude...as cantigas, os nossos cantores, os poemas, os nossos poetas e a língua, a nossa língua, ainda fazem toda a diferença. quanto a essa coisa da música, deixem q vos diga uma coisa: é certo q a música portuguesa pouco passa na rádio, mas, atenção, a boa música portuguesa ainda passa em alguma rádio. porque ao falarmos de música portuguesa temos q a diferenciar, isto é, nem tudo é música portuguesa, i.e., boa, quero dizer. a antena 3 tinha (penso q ainda tem. como só ouço programas de autor, não sei se ainda tem)ou tem a chamada quinta dos portugueses, em que todas as quintas-feiras só se passa som tuga. depois, a mesma rádio tem todos os dias uma coisa q se chama portugália, das 9 ás 10 da noite, onde, como o nome indica, só passa som português. a antena 1, pelo q sei ainda passa muita e boa música portuguesa. portanto, meus srs., vamos lá a relativizar as coisa, ok. e por falar em espanha, país q visitem à poucos dias, tenho a dizer-vos q nas rádios deles, sim é verdade, a maior parte da música é cantada na própria língua, mas, caramba, quem por aqui anda habituado a ouvir grandes cantautores, tenho a dizer-vos q + vale continuarmos a passar menos música na língua de camões a querer emitá-los e assim encher a nossa música de, enfim, coisas mto pouco interessantes. spanish music sucks baby. ah, e passam muito, mas mesmo muito som internacional. abraços.

ManuelNeves disse...

Viva!

Caro Luís Antero, antes demais bem vindo de novo à Blogosfera e montes felicidades nessa caminhada pela vida agora partilhada pela tua esposa.

Claro opiniões, são opiniões. A minha , que é bem pequenina mas não deixa de ser minha, é que de acto passamos muita pouco Portuguesa.E falo de música independentemente do género (seja. pimba, popular, jazzistica, rock, folclore, etc, etc..), não interessa. Só passando música é que as pessoas podem fazer escolhas e estas não podem ficar condicionadas a clichés ou preconceitos. em sei que a antena 3 tem "Quinta dos Portugueses", com concertos ao vivo e tudo, mas compreende, a semana tem 7 dias, não tem só um! A antena 1, sempre vai passando alguma, e na minha perspectiva com qualidade ( o que não quer dizer que sejam as perspectivas de outros). Continuarei a pensar que os espanhóis, fazem muito bem. Ainda dou de barato as rádios privadas passarem o que entenderem, mas nas rádios públicas deveria passar exclusivamente música do mundo Português (incluo também África e Brasil), e as pessoas que optassem.

Contudo, repito-me dizendo: o que é Português é Bom - é NOSSO!

Um Abraço fraterno.

Eduquês disse...

Estou de volta... e com novidades.

asn disse...

Que maravilha viver esses momentos, singelos e muito significativos, ao mesmo tempo.
Andamos para aqui, distraídos, com coisas sem significado algum, as mais das vezes, atarefados com o trabalho, sempre com a preocupação de trabalhar muito, nem sempre bem. Descurando que a Vida é feita também de valores mais altos que os devíamos alevantar nos momentos precisos.
Muito parabéns por esses momentos que conseguiram viver, espero que a pensarem também em nosotros, os que andam distraídos, os que deviam fazer um esforço suplementar para realçar a sua Portugalidade, que só nos fazia bem. Da qual estamos bem necessitados. Os outros povos n~~ao são melhores que nós. Devemos é ser mais confiantes nas nossas possibilidades.
Um abraço
António

Rui Lopes disse...

Reparei pelo seu comentário no blog de Sentieiras, que, tal como eu, também estudou em Coimbra, essa magnífica academia.
Sou um eterno estudante de Coimbra (já com o curso acabado). Conviduo a ver o meu site pessoal em: www.ruimoreiralopes.no.comunidades.net/ e o meu site da minha terra natal. S. Miguel do Rio Torto - Abrantes, em: www.saomigueldoriotorto.blogspot.com
Como antigo estudante de Coimbra não se esqueça de se inscrever na Rede dos Antigos Estudantes de Coimbra em: www.uc.pt/encontros/ lá explica tudo e de votar na UC para as 7 maravilhas de Portugal em: www.7maravilhas.pt
As sete maravilhas e a Rede dos antigos Estudantes passe mensagem a todos os antigos estudantes da UC!
Saudações Académicas

Hugo Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hugo Silva disse...

Caro blogueiro(a)

O meu nome é Hugo Neves da Silva, mestrando em Ciências da Comunicação, variante, Comunicação, Organização e Novas Tecnologias, na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, pólo de Lisboa, e autor do blogue // lisbonlab //, disponível em http://blog.lisbonlab.com/.

No âmbito do Mestrado, estou a elaborar a minha dissertação final sobre blogues e o seu impacto na Web em Portugal, pelo que gostaria de contar com a sua colaboração para a realização deste estudo através do preenchimento do seguinte questionário:
https://www.surveymonkey.com/s.aspx?sm=8ZM5q5shr_2fRzecOkaWuqKw_3d_3d

Este link está associado ao seu blogue, pelo que agradeço que não reencaminhe esta mensagem.

Em caso de alguma dúvida ou sugestão, não hesite em contactar-me para hugo.silva@lisbonlab.com.

Agradeço o preenchimento do questionário até dia 15 Julho, data em que darei por terminada a recolha de dados.

Obrigado pela sua participação.

Hugo Neves da Silva
hugo.silva@lisbonlab.com

asn disse...

...
Faço colecção de Stºs. Antónios, do artesanato português. Só porque tenho a mania de ser diferente (o que não quer dizer que seja bom), chamo-lhe Fernandito (do verdadeiro nome Fernando Bolhões), homem de grande intelectualidade e bondade sem fim.
...
Lembra-se, amigo Manuel Neves?
Pois, agora lembrei-me eu de lhe dar nota duma imagem fantástica de Sto António do Carrascal, que um amigo me enviou há dias
http://dentrodetioleiria.blogspot.com/2007/06/santo-antnio-do-carrascal.html
Um abraço
António Nunes

Sábado, 16 Junho, 2007

Anónimo disse...

Caro Rui,guitrrista.

Quem vos escreve é a brasileira e cearense Patricia. Conhcei em minha cidade um conterraneo seu, da Familia de Pinho da cidade de Aveiro. Creio que seja este o nome, o nome dele se chama Henrique. Falei de você, para ele. Ele atualmente é casado com uma cearense e dono de uma Pizzaria no centro de Itapajé.O Portuga daqui saúda o portuga daí.Sinto lhe informar que as coisaspor aqui, não vão muito bem quanto ao arquivo que tanto desejo. Recentemente, fui ao Museu do Ceará e a Secretaria de Cultura d estado em busca de fazer um Museu Comunitário pela Associação dos Amigos do Patrimônio Histórico, não tive sucesso. A novidade é que embora não conseguindo apoio um parente meio distante meu cedeu uma casinha para ser a sede da Associação.Bem parece que a maré não está boa para mim, mas eu vlto a lançar redes quem sabe um Arquivo Comunitário nã sai, não é querido Rui guitarrista. Preciso de algo mais concreto. o seu site é insuficiente para minha sde de conhecimnto sobre o assunto.Me envie alguns links,ou textos no Acrobat para que eu possa analisar, neste m~es de férias iria adorar. Querido guitarrista, se você souber, conheci uma museóloga ,assim como voc~e pela internet e ela gentilmente mandou-me arquivos excelentes sobre museologia.Quero ver comoé feita a pesquisa dos arquivistas em Portugal, afinal não é voce que domina mais de dois idiomas!

Não exagere nos textos,só sei o Português.Se me ajudares mandarei algumas músicas brasileiras da décad de trinta para você por e-mail.

Rui, por gentileza me manda teu endereço, apenas para assuntos profissionais.
Patricia Barboza Itapajé -Ceará