sábado, janeiro 13, 2007

Os Dias

Hoje, decidi por um outro estilo de escrita.
Uma outra forma de falar sobre os dias que passam. Perdoem-me, pois poeta não sou!



Onde está a verdade

dos dias que passam?

Será no primeiro

ou no último dia

Deste Novo Ano que inventamos?!


Podemos reinventar a Felicidade

Reencontrar a Esperança

Procurar a Bonança

No labirinto da Cidade

Mas os dias...

Os dias, continuarão

Em ciclos sucessivos de 24 horas

Os dias são gente

Gente que chega

Gente que parte

Os dias Somos Nós

13 comentários:

Jofre Alves disse...

Passei para desejar óptimo fim-de-semana e apreciar esta interessante página, onde impera a qualidade e bom gosto.

Anónimo disse...

Visito frequentemente este blog, sempre expectante com a leitura de novos textos... Leio-os com toda atenção mas poucas vezes faço comentários "on line" pois tenho a oportunidade de os fazer pessoalmente.
Mas hoje, a provocação deste poema (no bom sentido, claro!...), acordou os dedos adormecidos para deixar aqui, também, em tom de provocação (e sem ironias!...), a seguinte pergunta: e ainda diz que não é poeta?!
Um bom fim de semana e não pares nunca,
Anónima

Moura disse...

Não é poeta...mas não lhes fica a dever nada! Mudam-se os estilos de escrita, fica a mesma veia inspirada e inspiradora!
Força amigo.

manuel neves disse...

Viva!

Amiga "anónima", se bem sei quem és, bem sabes que estas palavras foram escritas de uma assentada em "resposta" a uma "provocação" tua com um POEMA de Carlos Drummond de Andrade. Como várias vezes tenho referido, poeta não sou! Falta-me quase tudo para o ser! Nem sei muito bem o que é isso de ser poeta, ou somos todos ou uns quantos eleitos?! Apenas sou um louco de alma quebrada à procura de paz. Timido, muito timido que difarço com um sorriso ou uma gargalhada, amo os outros, ás vezes sem nada dizer, mas com o coração aos saltos de alegria ou a chorar de tristeza, quando os outros, aqueles que amo, estão contentes ou sofrem.
Mas poeta, poeta não sou.

Um beijo grande

manuel neves disse...

Viva!

Amigo Moura, agradeço as suas palavras.
Existem os poetas e os que se dizem poetas, eu não pertenço nem aos primeiros nem aos segundos; sou apenas uma criatura que gosta de manchar a candura branca do papel com a mancha negra das palavras.

Obrigado e um Abraço!

farinho disse...

Para quem não é poeta, escreve muito bem, afinal há uma veiazinha poetica em si.

Obrigada pela visita ao meu cantinho, volte sempre.

Beijocas

Badala disse...

Sim apesar de não seres poeta escreves muito bem, com muito sentimento.

Abraço.

Luna disse...

O que é ser poeta?
Deixar fluir emoções, desabafos, pintar a vida com as cores do arco iris, falar com o coração , soltar a alma?
Então parabens pois és poeta

Tozé Franco disse...

Grande momento de inspiração, semelhante a muitos outroas a que já n os habituou.
Um abraço.

Chanesco disse...

Caro Manuel

Onde está a verdade?
É de facto uma questão que muitas veses nos colocamos.

Abraço e boa semana.

Chama Violeta disse...

Procura-se um amigo/a...

Não precisa ser homem,mulher:
basta ser humano, basta ter sentimentos,
basta ter coração.

Precisa-se de um amigo/a que diga
que vale a pena viver,
não porque a vida é bela,
mas porque já se tem um amigo.

Bom final de semana!!!!

profundamente disse...

Eu tambem não sou poeta, mas sempre sai alguma coisa.

Á sempre uma veia poetica em nós.

O seu poema não está nada mal.

Um abraço.

asn disse...

Ainda bem que este post não me passou ao lado.
Da minha atenção.
Sim, que muitas vezes
Distraídos,
Melhor, abstraídos
Com os momentos da nossa própria vida
Nem reparamos no que se passa à nossa volta
Sabe bem escrever sem regras
Sem forma moldada na gramática
Fingir que estamos a escrever
Um soneto ou um canto
Quando estamos a escrever
Simplesmente em Liberdade!
É bom
Sabe bem!...
-
Um abraço, amigo Manuel Neves